Aldeia Multiétnica: um encontro com nossa ancestralidade nos chapadões de Goiás

Com o tema “Territórios Etnoeducativos”, evento volta a ser realizado na Chapada dos Veadeiros.


Encontro de culturas: criança observa apresentação dos indígenas da etnia Xavante_S.Fontes


Vivenciar uma experiência com povos tradicionais - não apenas um, mas vários povos reunidos no mesmo local. Conhecer suas habitações típicas, seus cânticos e danças, deixar se pintar, adquirir belas peças artesanais. Ao mesmo tempo, sentir a força do Cerrado goiano, com dias de céu claro e forte e noites frias. Participar de palestras e oficinas, fazer trilha até algumas das mais belas cachoeiras e rios da Chapada dos Veadeiros e depois se alimentar com delícias vegetarianas ou típicas de Goiás.


Sim, na Aldeia Multiétnica é possível experimentar muitas emoções e obter aprendizados essenciais sobre convivência e respeito ao próximo em um ambiente onde a natureza e a mão do homem atuam na mesma direção. Em sua 14ª edição, o evento teve início dia 15 e segue até esta sexta, 22, no entorno do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a cerca de 20 km de Alto Paraíso.


Neste momento em que os direitos indígenas voltaram a sofrer questionamentos preocupantes, em especial quanto a demarcação de suas terras, e após os impactos econômicos e sociais provocados pela pandemia de Covid-19, retomar a Aldeia Multiétnica ganha novos significados. “Todas as tribos são universais em alguns princípios, apesar das diferenças entre os povos nunca houve conflitos em 14 edições da Aldeia Multiétnica”, revela o indigenista e escritor Fernando Schiavini, um dos idealizadores do projeto, iniciado em 2007, autor o livro O Amanhã é Tribal, consultor dos projetos de etnoturismo da Tekoá Brasil.


Presenças

Por causa da longa convivência de Schiavini com o povo Krahô, a etnia tocantinense sempre participou do projeto e conta com habitação fixa na área circular, compartilhada também pelos Fulni-ô (PE), Guarani Mbyá (SP/SC), Kayapó/Mebêngôkré (PA), Xavante (MT), e povos do Alto Xingu (MT). Bem no centro fica uma Xapono, casa tradicional Yanomami utilizada como ponto de encontros e apresentações. A oitava casa da aldeia será inaugurada pelo povo Kariri Xocó (AL/DF), e também estão presentes três representantes do povo Katukina (AC). Há ainda uma casa Kalunga, para lembrar a importância dos remanescentes do maior território quilombola brasileiro.


Ao longo do dia e da noite circulam pesquisadores, estudantes, jornalistas, famílias inteiras, com crianças encantadas diante dos cantos ritmados de cada grupo. Muitos estão na hospedaria local ou acampados, o que dá direito a uma convivência mais próxima com os indígenas. Mas também é possível adquirir ingresso diário, que dá direito a visitar os atrativos naturais pela manhã e a aldeia na sequência.


Cada dia é dedicado a uma etnia. A ordem só foi definida no dia 15, durante reunião das lideranças. Apesar de programação contar com rodas de conversa, oficinas e palestras pré-definidas, cabe às etnias participantes definir a ordem de apresentações culturais diárias. “Entre os indígenas não há votação, tudo é resolvido a partir de discussão, aconselhamento e consenso”, ressalta Fernando Schiavini.


Amiji Kim

As corridas de Tora estão presentes em todas as festas Krahô_Raissa Azeredo


O dia dos Krahô, na segunda, 18, começou com o nascer do Sol e os preparativos para a corrida de Tora, uma tradição presente em todas as festas rituais (Amiji Kim) deste povo conhecido pela alegria e pelo importante papel desempenhado na preservação do Cerrado, na terra indígena situada entre os municípios de Itacajá e Goiatins. Os presentes puderam acompanhar as várias fases do Amiji Kim Jàt jõ pi, a Festa da Batata, incluindo brincadeiras com os Hotxuá (palhaços tradicionais).


“Visitar a Aldeia Multiétnica me proporcionou uma experiência inesquecível, repleta de significados que até então eu desconhecia. O convívio com a tradição e os costumes Krahô me mostrou a importância de preservarmos essa bela cultura e sua sabedoria milenar. Em uma palavra: magnífico”, resumiu o jornalista e escritor Valério Azevedo, que participou do evento com o jornalista Beraldo Goulart, para captação de imagens e entrevistas para novo projeto.